Trackmania e a Confiança em Deus


Você já conhece esse refrão: “Deixa a vida me levar, vida leva eu (3x), sou feliz e agradeço por tudo que Deus me deu”. Apesar de ter um tom bastante despreocupado com a vida, característica do próprio Zeca quando compôs a música, essa letra também fala sobre gratidão, contentamento e descanso, coisas que para nós, cristãos, deveriam ser tão fundamentais quanto água pra beber e ar pra respirar. Analisando um pouco mais fundo essa questão, vemos que não apenas temos descontentamento com as coisas que temos e somos, como também não nos alegramos com coisas que deveriam nos alegrar; mesmo com todo o cuidado e amor que Deus tem por nós, todos os livramentos que temos todos os dias, sendo que alguns até que nem tomamos conhecimento. Toda essa falta de contentamento, gratidão, e até alegria em nossas vidas apenas demonstra uma característica muito comum ao ser humano, a chamada ilusão de controle.

Por quê ilusão de controle? Vou explicar, existem certos aspectos da nossa vida em que exercemos controle: na nossa vida profissional, por exemplo, temos prazos, tarefas, uma rotina a ser seguida, na nossa vida pessoal temos horários de levantar, horário de dormir, hora de ir pra escola, faculdade, hora de comer, quem lava a louça na quarta, quem troca a fralda do bebê, etc. Existem muitos aspectos da nossa vida que temos, e que realmente devemos, ter controle, ter tudo na mão, tudo organizado, bonitinho. Porém, existem certos aspectos em que não temos controle algum: se vai chover, se vai acontecer um acidente no caminho do trabalho te fazendo atrasar, se você vai ser assaltado, se você vai morrer, etc. E é aí, nesse quesito, que devemos ter bastante cuidado. Nós, cristãos, sabemos que Deus é Soberano, criador de céus e terra, Deus todo-poderoso, que tem toda a existência sob controle, o alfa e ômega, início e fim, onde tudo existe e subsiste, de tudo isso nós sabemos. Ocorre que, prontamente nos esquecemos disso quando, religiosamente, tentamos controlar Deus em nosso favor, ao invés de confiar no Deus que está em nosso favor. Pare pra pensar um pouco, quando foi a última vez que você se encontrou em uma situação difícil e, ao invés de confiar no Deus que cuida, você se descabelou em angústia por não poder, você mesmo, resolver a situação? Agora pense em quantas vezes você já suplicou a Deus pela resolução do problema, sem parar, achando que por muito pedir Deus responderia mais rápido ou de maneira mais efetiva? Quantos jejuns e sacrifícios você já fez porque nenhuma resposta imediata apareceu na sua frente?

Quando paramos um pouco pra meditar nas Escrituras sobre isso, percebemos que muitas vezes nós traçamos um caminho contrário àquilo que a Palavra nos ensina. Em Mateus 6, na segunda parte do sermão do monte, lemos muito sobre descanso, confiança, não se preocupar tanto com o dia de amanhã, porque o amanhã já trará a sua própria carga de preocupações. Jesus fala que não devemos orar como os gentios, que acham que por muito repetirem seus pedidos serão atendidos, porque o Pai que está nos céus já sabe do que a gente precisa antes mesmo da gente pedir. Então ele nos dá o Pai-nosso, que é uma grande confissão de confiança no Deus que cuida e faz, e em seguida, duas breves ilustrações sobre a ave que não estoca comida e da flor que não costura, e mesmo assim ambas tem comida e roupa; e que da mesma forma Deus cuida da gente, não nos deixando desamparados.

Talvez seja a nossa religião que nos faz assim, mas não dá pra negar que descansar em Deus é um dos exercícios mais difíceis da vida cristã, o que não deveria ser, mas é. Abdicar de toda a loucura religiosa de controle e aceitar que você não tem controle é algo que machuca muito, e talvez por isso seja tão difícil pra nós colocarmos em prática.

A maneira como enxergo essa situação é a seguinte: Somos pilotos, nossa vida é um carro e Deus nos coloca em uma pista, onde a única coisa que temos que fazer é acelerar com o volante reto, sem fazer curvas, que a pista leva a gente, entretanto o que fazemos é jogar o carro pra esquerda e pra direita e, por consequência, saímos da pista. Pra retratar isso de maneira mais palatável, vou citar aqui o jogo da Ubisoft: Trackmania, que basicamente é um jogo onde você controla um carro e tem que usar a física pra completar os circuitos, que são bastante diferentes de um circuito de corrida normal. Nesse jogo, existe um modo de criação de pistas, onde você cria uma pista e compartilha essas pistas com a comunidade, isso acabou gerando um certo tipo de pista chamada de “Press Forward”, ou traduzindo, “Acelere”. O que tem de tão especial nesse tipo de pista? Simples, ela é feita de um jeito que a única coisa que você precisa fazer é acelerar que a pista faz todo o trabalho pra você, desde curvas, loopings, tudo é feito sozinho, usando e abusando da física do jogo, basta acelerar.

Será que não existem aqui semelhanças em como deveria ser a nossa vida com Deus? Reflita sobre isso.


Pra não alongar demais o texto, fiquem com uma das pistas mais bonitas de Trackmania 2: 


Samuel Soares tem 26 anos, é auxiliar de TI, membro da Igreja Batista Aliança em Fortaleza - CE, e como é de se notar, um mega fã e entendido de cultura nerd.