Regeneração

Se você me perguntasse qual Super Herói de desenhos animados mais mexeu comigo nos últimos quinze anos, eu responderia, rapidamente, Wolverine. Sempre gostei da “fera indomável”, como diria o professor Xavier. Das garras que saem de sua mão, da sua estrutura de Adamantium indestrutível, e da sua audição e faro aguçado. Mas o super poder que o colocou como destaque dos X-Men e dos personagens da Marvel foi o seu poder de regeneração (fator de cura).
O cara não tem medo de quase nada, pois no final das contas, se ele se machucar, suas células vão se regenerar. Digo quase porque mesmo com a regeneração ele pode morrer.
Na vida real esta tem sido a busca mais ferrenha da ciência, conseguir inventar uma substância que acelere a regeneração celular, curando mais rápido e evitando a morte de muitos. Mas, não conseguimos nem inventar a cura das células cancerígenas, quanto mais uma regeneração rápida do corpo.
Na bíblia, eu me lembro de alguns episódios de regeneração celular que ficaram bem claras: quando Jesus ressuscitou Lázaro depois de três dias de putrefação. Jesus usa o milagre da regeneração com dezenas de leprosos e outros doentes. E o Pai o ressuscita no terceiro dia, o regenerando no corpo glorificado.
Realmente o poder dos dois personagens é parecido, mas qual seria a diferença entre os dois personagens no uso de seus poderes, tirando o fato muito relevante de que um, pela fé, é verdadeiro e o outro, temos certeza, é apenas um HQ?
Se “grandes habilidades requerem grandes responsabilidades”, a grande diferença da regeneração dos dois é o propósito final.
Enquanto os escritores de Wolverine o colocam como um cara descontrolado, que usa seu dom para atacar os seus inimigos e, é até legal nos filmes e desenhos, vemos na bíblia Cristo usando o dom do Espírito para regenerar o próximo.
Não tenho o poder de regeneração, acho até que demoro muito para estancar quando me corto, mas me questiono: caso tivesse, usaria para meus sonhos de aventura? Para me tornar indestrutível? Ou, usaria com os que estão enfermos?
Jesus nunca usou o dom de cura para seu benefício e isso o torna O mestre, pois o versículo é que o bom pastor dá sua vida pelas ovelhas, e não que as protege com um poder indestrutível. Quando Jesus morreu, foi o Pai que o ressuscitou, o glorificando.
Precisamos aprender a usar o dom que nos foi dado em benefício do próximo, pois, afinal, foi para isso que nos foi dado.

Marcos Botelho é presbiteriano, teólogo, palhaço, missionário, pastor de jovens e adolescentes e autor dos livros Vida Cristã Fora da Caixa e Ontem Esponja, Amanhã Peneira.