Entrevista com Douglas Baroni, construtor do R2-D2 brasileiro

Em um de meus passeios no shopping de Ipatinga - MG, me surpreendi com a presença de um R2-D2 incrivelmente idêntico ao original. É claro que não me contive e fui buscar informações sobre aquela peça rara.
Douglas Baroni é o seu construtor. Ele tem 32 anos, é natural de Ipatinga e curte muito tecnologia. Possui formação técnica em eletrônica e está terminando a graduação em Engenharia de produção.
Douglas trabalha como planejador de logística, dá palestras sobre eletrônica e robótica, e nas horas vagas constrói robôs em seu laboratório particular.
Sendo co-fundador da AstroMech Brasil, ele construiu o R2 de acordo com as medidas originais cedidas pela LucasFilm.

[Gospel e Nerd] Ter um R2 em casa é o sonho muita gente. Foi o seu também?
[Douglas Baroni] Sim, eu curto muito a saga de Star Wars, mas gosto mais ainda do R2 em si, desde criança sonhava com meus futuros robôs que sempre almejei construir, o R2 é apenas um dos que ainda pretendo ter a felicidade de concluir.

[Gospel e Nerd] Como e quando iniciou o projeto?
[Douglas Baroni] Em agosto de 2012 eu estava procurando informações para poder iniciar a construção do J5 (Jhony Five), foi quando esbarrei com um grupo de loucos que construíam unidades funcionais do R2, daí pra frente consegui ser aceito no grupo e comecei a minha jornada em busca de informações. Fiz amigos, alguns aqui do Brasil e outros lá fora, assim fui, até chegar o dia de hoje.

[Gospel e Nerd] O que é a AstroMech Brasil?
[Douglas Baroni] É o clube de construtores de R2D2 brasileiro ao qual sou co-fundador junto de dois outros amigos (Erick Pascoalato e Carlos Gueiros) ambos de SP e que também possuem suas unidades construídas. Nosso grupo é derivado do R2builders americano, onde nós fazemos parte e de onde tiramos todo aprendizado e informação necessários para a construção de nossas unidades. Como somos os únicos brasileiros a ter uma réplica oficial finalizada entendemos que seria interessante fundarmos o grupo brasileiro para ajudar novos Builders. Daí para frente, descobrimos outras pessoas que já estavam iniciando a construção e outros esperando um start. Hoje contamos com 3 dróids prontos e mais alguns no forno, a família R2BuildersBrasil só tende a crescer e ainda sonhamos com uma convenção própria onde teremos nossos membros e dróids em uma única grande festa.

[Gospel e Nerd] O que seu R2 tem de igual e o que tem de diferente do R2 original?
[Douglas Baroni] Por trabalharmos com os desenhos principais originais, temos todas as dimensões exatas, tudo é bem pensado para ficar idêntico, ângulo de pernas, armas, acabamentos e até as cores são muito próximas. Como o filme utiliza vários dróids ao longo das filmagens alguns detalhes são diferentes até mesmo nos robôs dos filmes, então temos liberdade em seguir algum o que mais nos agrada, mas, o que mais muda entre eles são as cores, o robô é sempre igual. Os movimentos, luzes e sons de nossos robôs são os mais próximos possíveis do real, podemos dizer que idênticos. No meu caso ainda restam alguns pequenos detalhes de ornamentação para terminar, já a robótica cada um faz à sua maneira e gosto, alguns querem mais fixo, outros querem mais articulado, eu prefiro mais real possível e ainda tenho algum trabalho para finalizar: automação de alguns itens e janelas do corpo. Mas a graça é sempre fazer algo novo sem nunca terminar, pois a brincadeira é que conta, ao olho de qualquer espectador ao vivo, incluindo você, ele é exatamente o R2 do filme. Apenas eu e outro amigo que também seja um R2builder é que sabe a diferença entre os nossos e o filme, esta é toda a graça.

[Gospel e Nerd] A construção dessa figura tão detalhada e marcante nas trilogias é o ponto mais alto que um fã de Star Wars pode chegar?
[Douglas Baroni] Sim e não. Eu já estou nesse patamar e posso te afirmar, ainda existe mais. Recentemente a Disney Brasil entrou em contato conosco sondando utilizar um de nossos dróids para participar de um evento oficial para o lançamento do novo filme aqui no Brasil. Estamos muito felizes com o convite e com a ideia de se tudo der certo estarmos tão envolvidos. Ainda não temos nenhuma confirmação, mas só os emails e os telefonemas já foram de bambear as pernas.

[Gospel e Nerd] Em nossa conversa, você disse que a união da Cultura Nerd com a Cultura Cristã era boa e importante. Por que pensa assim?
[Douglas Baroni] Praticamente toda criança hoje em dia está de uma forma ou outra inserida no mundo “nerd”, seja com games, animes, filmes, comunidades virtuais ou música. Eu penso que meu filho não mais irá brincar na rua da mesma forma como assim eu o fazia, não por ser incentivo meu, mas por cada dia estarmos mais ligados neste mundo conectado, globalizado e pela violência que hoje existe da porta de casa para fora. Eu sou cristão e gosto desta cultura “nerd”, acho que ela pode ser benéfica se os pais fizerem sua parte e acompanharem realmente o que seus filhos fazem nela e sua postura quanto à isso. Vejo com bons olhos falar dos dois assuntos, sendo que estaremos usando uma linguagem mais fácil de ser assimilada pelas crianças e jovens. Afastando a ideia de que falar de Deus é chato, cansativo ou papo antigo. Penso assim.

[Gospel e Nerd] Existem novos dróids em mente para construção futura?[Douglas Baroni] Gosto muito de construir, de inventar. Tenho muitos projetos na minha cabeça, e existem ainda dois robôs que pretendo finalizar, um é o Wall-e que até já tenho os desenhos oficiais, o outro é o bom e velho J5, mas isso já é papo para outra conversa...

Quem quiser acompanhar e conhecer mais o trabalho de Douglas Baroni, acesse seu site: www.lampadinhamg.webnode.com, seu twitter e seu instagram

Um pouquinho de minha filmagem.
video
Entrevistador: Ronan Pedrosa, 22 anos, graduando em Engenharia Florestal.
Revisão: Betânia Neves, 21 anos, graduanda em Letras.