Paz, Esperança e Justiça

Há poucos dias foi divulgada, na Comic Con 2014, a foto do uniforme da mulher maravilha, que será interpretada por Gal Gadot no novo filme da DC com estreia marcada para 2016: Batman VS Superman – Dawn of Justice (O Alvorecer da Justiça).  A foto foi para fechar as revelações dos novos uniformes da trindade DC comics.
Considerado um termo um tanto herege, “trindade” foi a denominação dada pela editora aos seus três principais heróis: o gênio bilionário, o escoteiro de azul e o ser mitológico (é engraçado e curioso o fato de que pode-se atribuir essas mesmas características para o Homem de ferro, Capitão América e Thor, da Marvel).
Superman é o ser de outro mundo com poderes descomunais. Apesar de ser considerado um deus em várias versões das HQs, abre mão de tanta grandeza para proteger seu novo lar, a Terra.  Até mesmo seu “S”, o símbolo da família El de Krypton, significa esperança, como tem sido divulgado ultimamente.
Mulher maravilha é a princesa Diana de Temiscira, uma ilha de guerreiras como ela. Por uma questão diplomática, Diana se muda para os Estados Unidos. E quando não está usando sua força implacável para defender os civis de monstros e seres mitológicos, está tratando de acordos que forneçam paz para os povos.
Batman é o garoto que foi vítima do caos social. Cresceu em um lugar onde reina a impunidade para os assassinos e o descaso e corrupção por parte das autoridades.  Bruce sentiu a necessidade radical de mudança e surgiu como um símbolo de justiça para Gotham em sua nova identidade.
É claro que não pode haver comparação entre esses seres que são dotados de defeitos e mesmo fictícios, com a Trindade Santa que é pura, perfeita e verdadeira. Mas, os simbolismos dos personagens podem ser úteis para a argumentação e reflexões.
Sem sombra de dúvida, a questão da tripessoalidade de Deus é um dos mistérios que mais despertam curiosidade em nós. Levando para o contexto atual da história, não é muito difícil de aceitar, mas se atentarmos para a história de Jesus, percebemos que muitas foram as vezes que ele se dirigia a Deus, chamando-O de Pai. Se os 3 são um, por que ele precisou orar? Por que ele simplesmente não executava sua decisão? E por que ao mesmo tempo em que ele estava na Terra, também não estava no céu? Eu aposto que essas perguntas já pairaram sobre sua mente. Mas não se menospreze. Isso causa divergência entre os teólogos até os dias de hoje.
O que acalma um pouco meus parafusos é pensar que, apesar de três manifestações, reina apenas um pensamento. O Pai, o Filho e o Espírito não compartilham opiniões, não tem propósitos comuns, como é o caso da “trindade” DC. Eles têm um só pensamento e um só propósito, o que os tornam apenas UM! Eles são apensas “um Ele”.
Se é que posso resumir as infinitas virtudes da trindade, eu diria primeiramente que Ele é nossa PAZ (Fp 4:7). Após ter criado o universo em toda a sua imensidão, ele nos planejou minuciosamente.  Cada átomo de nosso código genético foi cuidadosamente organizado para definir nossas características. Características essas há muito tempo sonhadas e manifestadas para seu engrandecimento. Tudo isso nos faz entender que a vida tem sentido, o que cessa todos os nossos conflitos filosóficos e promove paz em nossos corações.
 E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos pensamentos em Cristo Jesus” (Filipenses 4:7).
Após ver que fomos condenados por nosso distanciamento dEle, foi manifestada a sua JUSTIÇA (2Co 5:21). Para perdoar a culpa da humanidade, era preciso o derramamento de sangue;  fosse daquele que pecou ou do animal sacrificado pelo pecador. Porém Ele, que nunca se contaminou com esse pecado, se fez homem e pagou o preço de toda a humanidade. Seu sangue nos justificou diante de Deus, o que nos leva a terceira virtude.
 Àquele que não conheceu pecado, o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus” (2 Coríntios 5:21).
Após a morte e ressurreição de Cristo, veio a nós a ESPERANÇA (Sl 65.5). O grandioso ato de Jesus nos permitiu ter um relacionamento íntimo com Ele. Na presença dEle, temos a liberdade de louvá-lo, conhecê-lo e nos arrependermos de nossas falhas, tendo como intercessor o próprio Espírito Santo. E a todos aqueles que mantiveram esse relacionamento e se arrependeram verdadeiramente, Ele prometeu que os levaria para junto de si no dia de seu retorno!
Com coisas tremendas em justiça nos responderás, ó Deus da nossa salvação; tu és a esperança de todas as extremidades da terra, e daqueles que estão longe sobre o mar” (Salmos 65:5).
Três virtudes distintas, mas que, assim como a trindade, podem ser sintetizadas em uma somente. Virtude essa que é, inegavelmente, o sentimento mais sublime existente, mais profundo que qualquer ato de heroísmo. Ela é a única que pode preencher o gigantesco vazio da carne, da alma e do espírito e a única palavra que pode ser usada por si só para descrever o Deus trino e uno: Amor (IJo4:8).
“Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor.” (1 João 4:8)

Fiquem todos com esse Amor infinitamente triplicado!

Ronan Pedrosa tem 21 anos, é graduando em engenharia florestal pela Universidade Federal de Viçosa e moderador do blog Gospel e Nerd.